MICHELLE, DE UMA RELAÇÃO ABUSIVA REDESCOBRIU O AMOR DE SUA VIDA: ELA!
30 de novembro de 2017
ESTUPRO CORRETIVO?! DA DEPRESSÃO AO SUICÍDIO.
2 de dezembro de 2017

Estupro é algo comum? Pergunto isso porque temos visto vários casos no noticiário, nos últimos dias. Praticamente, um por dia! É o  vigia de uma escola que estuprou cerca de 8 meninas com idades entre 7 e 11 anos no depósito de brinquedos da escola e disse que “as meninas o seduziam”; O médico dermatologista que foi preso em flagrante por estuprar uma adolescente de 16 anos durante consulta; Um padrasto que  estuprava a enteada desde os 12 anos e, agora aos 13 engravidou a menina e, tantos mais que não saem na mídia. Ficam encobertos pela família e pelo medo. Só no Estado do Acre, em 10 meses foram 140 casos de estupro seguidos de gravidez. Em São Paulo, em outubro/17, houve um aumento de 14,3% de casos de estupros. E, o que fazemos além de nos horrorizarmos? Existe lei de combate ao estupro? Sim. Mas pelo jeito não está inibindo a prática desse crime hediondo. Não sou advogada. Porém algo deve estar errado, não é? Vejo o congresso nacional preocupado em agilizar tantas leis e reformas. E o estupro? Está esquecido? Será que é porque não atinge o bolso deles como as demais leis e reforma tocadas com urgência excessiva? Mas tem também uma outra vertente que é a objetificação da mulher, a discriminação de gênero, o sexismo. Enquanto a sociedade insistir em rotular a mulher como propriedade criada para o prazer do homem e vê-las como seres inferiores à casta masculina, fica difícil combater esse e outros crimes de violência contra a mulher. “Também usando aquela roupa, queria o quê?”; “Andando sozinha na rua, só estava querendo ..”; “Num barzinho bebendo?”. São alguns dos comentários que culpam a vítima. Menina ou mulher alguma pede para ser estuprada. Estuprador é estuprador e ponto!

O estupro deixa marcas físicas, mas principalmente emocionais, psicológicas e sociais. Além, da possibilidade de uma gravidez indesejada. Para a justiça é apenas uma estatística. Apenas um caso a ser investigado, resolvido, julgado e ponto final. E para a vítima? Nunca terminará. É como se o estupro se prolongasse pelo resto da vida. E que vida?!

 

Fontes:

https://leonardocastro2.jusbrasil.com.br/artigos/121943503/legislacao-comentada-artigo-213-do-cp-estuprohttps://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/sp-registra-queda-de-homicidios-e-latrocinios-e-aumento-de-estupros-em-outubro.ghtmlwww.noticiaaominuto.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook