ESTUPRO CORRETIVO?! DA DEPRESSÃO AO SUICÍDIO.

ESTUPROS AUMENTANDO. E O QUE FAZEMOS?
1 de dezembro de 2017
QUEM “SUICIDOU” MILLY?
3 de dezembro de 2017

ESTUPRO CORRETIVO?! DA DEPRESSÃO AO SUICÍDIO.

“Você é homem ou mulher? Segura ela aí, que eu vou conferir”. Foi o que ouviu Lais*, numa noite de 2014, enquanto voltava da faculdade, de dois homens que, em seguida a estupraram.“Fui estuprada por ser lésbica, e estar caracterizada enquanto lésbica”, diz Lais* que sofreu o que é conhecido como estupro corretivo: um crime que atinge  lésbicas, bissexuais e transexuais, no qual o abusador quer “corrigir” a orientação sexual ou o gênero da vítima.Tive de dormir com um homem para provar que sou uma mulher. Tenho sentimentos (pelos homens), mas não tenho desejo por eles. Há pessoas aqui que foram abusadas. Elas foram estupradas, agredidas, mas não poderem falar sobre isso porque têm medo de que sejam mortas por seus abusadores”. Conta a sul-africana Xoliswa Jubeju, jogadora de rugbi.

Há nesse comportamento, um requinte de machismo associado à lesbofobia, o que traz uma enorme crueldade. O crime une o abuso do corpo da mulher com o preconceito que parte da ideia de que é possível se mudar a orientação sexual da lésbica. Os pais e homens, como um todo, entendem que podem fazer esse tipo de crime, para corrigir  a orientação da mulher”, diz Irina Karla Bacci, mestre em direitos humanos e cidadania pela Universidade de Brasília. Segundo ela, nesses crimes, os abusadores agem com mais violência, por considerarem a mulher mais frágil, mas por ser lésbica, merecer “sofrer como um homem“. É comum também a pregação, com frases como “vai aprender a gostar de homem” ou “agora você vira mulher de verdade“.  Elas não se sentem confortáveis para denunciar. Os dados sobre esse tipo de crime são poucos e restritos. O Ministério de Direitos Humanos, por exemplo, recebeu, através do Disque 100, 19 denúncias de abuso sexual e oito de estupro em 2016, mas os números divulgados não especificam quem foram as vítimas dos crimes sexuais. Além disso, existe um problema de poucas notificações por vergonha de julgamentos preconceituosos.

Rita*, 20 anos, é estudante de psicologia. Tentou se matar duas vezes. A primeira, aos 16 anos e a segunda, aos 18. A universitária cresceu em uma família religiosa, que, nas palavras dela, sempre riu e fez piada sobre lésbicas e e gays. O choque entre a criação recebida e a descoberta da própria homossexualidade tirou seu rumo.“Não sei quantas vezes me achei impura ou possuída por algo maligno, já que, desde pequena, aprendi que o que não é ‘natural’ é motivo para ir para o inferno. Mas o inferno estava em mim. Quando me abri, dizendo que eu era lésbica e nasci assim, os meus pais ficaram um mês sem falar comigo”, fala Rita*. Não existe uma estatística exata sobre o número de suicídios entre os LGBTI, mas percebe-se um aumento expressivo.

Bullyings que levam à depressão e, consequentemente ao suícidio  de heterossexuais  são manchetes de jornais. Causam, como devem causar, horror a todos. Porém, quando se trata de homossexuais são deixados de lado. São escondidos pela sociedade hipócrita que finge não ver. Finge por quê? São humanos, são pessoas cuja dignidade não pode jamais ser medida por sua orientação sexual. Cada homossexual que passa por situações como esta, é morto um pouco, por cada um daqueles que deixam seu preconceito cegar sua humanidade.

 

 

 

Fontes:

https://estilo.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2017/11/24/minha-familia-fazia-piadas-com-gay-diz-lesbica-que-tentou-se-matar.htm

http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,,EMI226806-17770,00-JOVENS+HOMOSSEXUAIS+TEM+MAIS+TENDENCIA+AO+SUICIDIO+DIZ+ESTUDO.html

https://estilo.uol.com.br/comportamento/noticias/bbc/2017/10/29/tive-de-dormir-com-homem-para-provar-que-sou-mulher-sul-africana-monta-time-de-rugbi-so-com-jogadoras-lesbicas-para-combater-preconceito.htm

http://www.guiaglbts.com.br/blog/?p=1564

https://estilo.uol.com.br/noticias/redacao/2017/11/02/vai-virar-mulher-de-verdade-estupro-corretivo-vitimiza-mulheres-lesbicas.htm

https://estilo.uol.com.br/comportamento/noticias/redacao/2017/12/01/preconceito-e-julgamento-mulheres-com-hiv-contam-as-dificuldades-encaradas.htm

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook