ESTUPRO CORRETIVO?! DA DEPRESSÃO AO SUICÍDIO.
2 de dezembro de 2017
JULIANA OU REBECA – MAIS UM ABORTO DO ESTADO?!
4 de dezembro de 2017

Milly Tuomey

“Meninas bonitas não comem”. Essa frase foi escrita por Milly Tuomey, 11 anos, em seu próprio corpo, antes de se matar. O motivo? Ela rejeitava, odiava sua aparência física. Se achava fora dos padrões físicos estabelecidos pela sociedade, pela mídia. Era linda, na verdade. Só que não se enxergava assim.Encontrada pela família em estado crítico, a menina morreu horas depois, em um hospital de Templeogue, em Dublin. Isso aconteceu há dois anos, mas só agora 01/12/17,a polícia irlandesa divulgou que o caso foi encerrado como suicídio. Milly dava sinais que não estava bem. Ela mantinha um diário suicida debaixo da cama e havia publicado no Instagram, dois meses antes de atentar contra a própria vida, uma data na qual gostaria de morrer. Ao serem alertados, os pais ficaram horrorizados, sem saber ao certo o que fazer. Milly chegou a ser levada a um psiquiatra – e depois passou a ser vista semanalmente por um terapeuta.

Poderia ser “somente” mais um caso de suicídio. Mas, uma menina com 11 anos? Ainda criança e tão preocupada com a aparência? Sim. Cada vez mais cedo as meninas são cobradas para se encaixarem num padrão estético de beleza irreal para a maioria.

Milly Tuomey

Essa cobrança começa em casa, continua na escola e, é reforçada pela indústria da moda e pela mídia. Olhem numa loja de roupas infanto-juvenis. Quais os modelos expostos? Meninas magras, cabelos lindos, e, por aí vai. Já tentaram comprar roupas descoladas para meninas acima do “peso ideal” nessa idade? Nas novelas, o estereótipo se repete. O mesmo vimos nas propagandas e filmes. Meninas gordinhas geralmente, são amiguinhas “boazinhas” da protagonista magra.Isso, quanto não são as estabanadas, as cômicas ou até as antagonistas. E as princesas? Os casos de depressão, bulimia e aneroxia estão atingindo cada vez mais a população mais jovem. Quantas Millies não estarão passando nesse momento por uma situação dessas? Isso é muito sério!

Muitos dirão “Ela já tinha tendência suicida”. Pode até ser. Mas até por já estar fragilizada, o gatilho foi a auto rejeição ao corpo. Rejeição provocada por esse cruel padrão físico imposto pela sociedade. Enfim, me pergunto: “Quem “suicidou” Milly?

 

Fonte: https://www.noticiasaominuto.com.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook