LAQUEADURA PELO SUS PODE. MAS, VAI TENTAR…

“A FORMA DA ÁGUA”
2 de fevereiro de 2018
AS LEIS REALMENTE COMBATEM OS ASSÉDIOS? UM LONGO CAMINHO A PERCORRER…
5 de fevereiro de 2018

LAQUEADURA PELO SUS PODE. MAS, VAI TENTAR…

Nenhum método contraceptivo, exceto abstinência sexual, é 100% garantido. Por vários motivos, entre eles, já ter dois ou três filhos, em geral é o que leva muitas mulheres a optarem pela laqueadura de trompa. Convenhamos que tomar pílula todo santo dia, mudar quantas vezes for necessário até achar aquela que não dê os efeitos colaterais que acabam com a nossa qualidade de vida é um “porre”. Usar diu ou diafragma não é tão legal assim. Tomar a pílula do dia seguinte pode trazer transtornos como náusea vômito,  sangramento fora do período menstrual dor abdominal, diarreia e engordar; Usar a camisinha, como método contraceptivo numa relação efetiva, ainda não é culturalmente aceito na maioria da população. Por tudo isso existe uma procura grande pela cirurgia da laqueadura de trompa. Entretanto, na vida real, essa cirurgia dificilmente é conseguida nas redes públicas. Nem os próprios planos de saúde a fazem, a não ser com pagamento à parte.

Segundo a legislação brasileira, a cirurgia para laqueadura de trompa está disponível na rede pública para as mulheres com mais de 25 anos ou dois filhos vivos. Se a mulher for casada, é necessário o consentimento do cônjuge. Não é permitido fazer laqueadura de trompa durante o parto, período de maior vulnerabilidade para a mulher tomar uma decisão como essa. A lei só abre exceção quando ela já fez várias cesarianas, ou quando há riscos para saúde em caso de nova gestação. É exigido, inclusive, o reconhecimento de firma no cartório. Se a mulher for solteira, viúva, separada ou divorciada, ela só precisa de uma testemunha que comprove seu desejo de se submeter à cirurgia. Agora, vamos para a realidade. Quantas mulheres atendendo a essas condições, vocês conhecem que tenham conseguido a laqueadura de trompa na rede pública, sem ter algum conhecido que tenha influência para tal? Principalmente nas regiões mais carentes é quase impossível obter esse “privilégio”.

Quem é melhor para decidir se não quer filhos  ou não quer mais filhos?  A própria mulher. Mas, como estamos vendo, esse que deveria ser um direito, foi tirado da mulher. A não ser que tenha condições financeiras de bancar uma laqueadura de trompa em clínicas particulares. O que é totalmente legal. Mais uma vez a lei privilegia quem tem condições financeiras. Como sempre as mais prejudicadas são as mulheres de baixa renda….

 

Fontes:

https://drauziovarella.com.br/noticias/laqueadura-pelo-sus/

https://www.tuasaude.com/efeitos-colaterais-da-pilula-do-dia-seguinte/

http://www.gineco.com.br/saude-feminina/metodos-contraceptivos/

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook