0S (DES)CAMINHOS DA EDUCAÇÃO – III
25 de janeiro de 2019
BRENDA LEE – UM ANJO TRANS
29 de janeiro de 2019

Crianças abraçam a professora Teani Cortes no último dia letivo da escola Amaranta Gomez, no Chile — Foto: AP Photo/Esteban Felix

Acabo de ler uma matéria sobre uma escola que foi aberta em 2018 no Chile, para crianças e adolescentes transgêneros. Por que isolá-los em uma escola específica? Transgeneridade não é uma doença e muito menos, contagiosa.  Transgênero  é o indivíduo que se identifica com um gênero diferente do seu sexo biológico. Uma pessoa transgênero é aquela que, por exemplo, mesmo nascendo com uma vagina,  não se identifica com o gênero feminino. E por isso, ela não se encaixa nos papéis sociais estabelecidos para aquele gênero.

Sala de aula da escola Amaranta Gomez

A decisão da Fundação Selenna, do Chile,  de criar a escola Amaranta Gomez, específica para transgêneros  partiu da ideia de ” ajudar as famílias das crianças trans, que frequentemente faltam às aulas e até deixam de concluir os estudos por causa da discriminação”, afirmou Evelyn Silva, presidente da Fundação Selenna.”(Meu filho) estava perdendo sua identidade, ele estava ficando com vergonha de ser transgênero porque sentia que não se encaixava.Ele estava sendo forçado a frequentar o banheiro masculino, quando ele queria ir ao das meninas. A autoestima dele era muito baixa na escola tradicional”, palavras de  Gabriel Astete, pai de Alexis, aluno da escola. “Eu só queria morrer. Não queria existir, porque o que eles fizeram comigo me fez sentir muito mal”. Este é o desabafo Angela, uma aluna com 16 anos, sobre a escola tradicional frequentada por ela anteriormente.

Crianças abraçam a professora Teani Cortes no último dia letivo da escola Amaranta Gomez, no Chile — Foto: AP Photo/Esteban Felix

Eu sou contra esse tipo de iniciativa. Entendo o quanto essas crianças e adolescentes são discriminados e sofrem bullying. Sou professora do ensino médio na rede pública, vejo e combato essas e quaisquer outras discriminações. Entretanto, sou contra porque esses alunos não poderão viver eternamente em uma redoma protetora. Eles precisam se fortalecer em suas identidades para viver em sociedade. Uma sociedade ainda extremamente preconceituosa. Entendo que devemos mudar a sociedade para uma visão de respeito mútuo seja em que situação for. Em que incomoda conviver com um transgênero? Em que afeta conviver com um transgênero? São perguntas para as quais as respostas são sempre as mesmas, “vai influenciar meu/minha filho(o)”, “isso não é de Deus”, “não sou obrigado(a) a ver isso”. São respostas que mostram total despreparo para viver em uma sociedade saudável, respostas sem lógica, repletas do ranço patriarcal. Sou contra porque se formos pensar em criar escolas específicas para transgêneros, daqui a pouco vamos criar escolas específicas para homossexuais, para brancos, para negros, para amarelos, para portadores de necessidades especiais, para obesos e por aí vai. Será uma verdadeira segregação das diversidades. É isso que queremos?

Fonte: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/01/24/fundacao-chilena-abre-escola-para-criancas-transgenero.ghtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook